O Programa

APRESENTAÇÃO

O Programa de Formação Continuada para professores da Rede Estadual de Ensino, intitulado “No Chão da Escola”, desde sua implantação em 2015, tem sido a pauta prioritária da Secretaria de Estado da Educação (Seduc-PI) e está fundamentada no princípio de que a escola, como espaço de formação contínua, oferece condições ideais para discussão das práticas pedagógicas, visando à melhoria da qualidade de ensino e, consequentemente, dos índices educacionais apontados pelas avaliações externas.
Os resultados destas avaliações, nos anos de 2015 e 2016, apontaram um déficit na qualidade de ensino nas escolas públicas estaduais e a urgência em se implantarem políticas de melhoria do desempenho dos educandos, em todas as disciplinas do currículo escolar. Os referidos resultados evidenciam ainda a necessidade de um esforço do Poder Público em concentrar estratégias didático-pedagógicas no processo de formação dos profissionais da educação, que efetivamente proporcionem aos educandos, além da melhoria da aprendizagem, a consolidação das competências e das habilidades a serem alcançadas em cada etapa/ano da Educação Básica.
Além disso, a Seduc-PI concebe a formação continuada de professores como uma política de Estado essencial para a profissionalização e a valorização da carreira docente e defende que toda formação de professores deve se integrar ao cotidiano da escola e respeitar as experiências profissionais de todos os participantes – fato que eleva a importância da formação acontecer no “chão” da escola.
Por essa razão, a Unidade Técnica do Chão da Escola – UTECE, por meio desse Projeto, tem como propósito atender as necessidades das escolas estaduais piauienses, levando formação continuada aos coordenadores pedagógicos que, por sua vez, irão contribuir com a formação dos professores das escolas públicas estaduais.
Sendo assim, é preciso adotar uma estratégia de formação continuada, com um olhar voltado para a interdisciplinaridade, com foco nas competências gerais da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), cuja aprovação recente para o Ensino Fundamental, requer da escola uma mudança de postura em relação à aprendizagem dos educandos. E essa mudança exige dos professores e coordenadores pedagógicos uma proposta de trabalho interdisciplinar que contribua efetivamente para atender ao que estabelece a BNCC em relação às “aprendizagens essenciais” dos educandos, como também proporcionar a interação dos professores com a integração de saberes.
Nesse contexto, destacam-se como resultado da formação “No Chão da Escola”, dos anos anteriores, dados relevantes que indicam a eficácia do Projeto: em 2016, a Formação aconteceu em mais de 500 escolas públicas estaduais e certificou em torno de 6 mil professores que atuavam em regime de 40h. Em 2017, a Formação foi ampliada e todos os professores em efetivo exercício em sala de aula participaram da formação, com exceção de alguns casos específicos.
A formação que acontece no “chão” da escola é uma ação positiva, pois assegura um envolvimento de todos nas atividades da escola, por ser a oportunidade que muitos professores têm para falarem sobre suas angústias e refletirem sobre suas práticas pedagógicas. Outro ponto positivo é a integração dos professores na busca pela solução de problemas cotidianos, realização de planejamento integrado, autoavaliação das atividades, elaboração e execução dos projetos interdisciplinares que visam à melhoria da aprendizagem.
Nóvoa, citado por Boldarine (2010, p. 11) nos instiga a pensar sobre a importância da convivialidade dos sujeitos envolvidos no processo educacional e reflete: “[…] hoje sabemos que não é possível reduzir a vida escolar às dimensões racionais, nomeadamente porque uma grande parte dos actores educativos encara a convivialidade como um valor essencial e rejeita uma centração exclusiva nas aprendizagens acadêmicas”. E esse é o ponto central da formação que se dá no “chão” da escola, pois a descentralização das ações educativas coloca professores e coordenadores em sintonia com as discussões

Concepção Metodológica

A dinâmica das formações do “Chão da escola” obedece à seguinte sistemática: Unidade Técnica do Chão da Escola – UTECE forma os Coordenadores de Ensino das 21 Gerências Regionais, e estes se tornam multiplicadores junto aos coordenadores pedagógicos que, por sua vez, levam a formação para o “chão” da escola de atuação. Assim, a formação acontece em rede numa lógica interativa entre os sujeitos envolvidos, ao tempo em que oportuniza a atuação de todos de maneira dialógica, como se percebe no quadro a seguir.

Quadro síntese da estrutura da Formação

A formação com os Coordenadores de ensino deve acontecer por meio de encontros presenciais e periódicos, conforme cronograma estabelecido pela coordenação geral do Projeto. Nestes encontros, serão discutidas temáticas pertinentes e relacionadas aos pilares do “Pacto pela Aprendizagem”. Dessa forma, os Formadores Institucionais discutem com os Formadores Regionais os temas do encontro; posteriormente, estes reúnem os orientadores de estudo de cada escola e socializam a formação recebida. Finalmente, cada orientador de estudo aplica em seu cotidiano as orientações recebidas.
Ressalta-se que, para dinamizar ainda mais essa formação e possibilitar um maior alcance do projeto, algumas temáticas serão discutidas em parceria com o Canal Educação, por meio da mediação tecnológica; da mesma forma, o referido Canal será utilizado como suporte para troca de experiências e socialização das atividades extras.
Dadas as orientações aos Formadores Regionais, cada GRE terá o compromisso de fazer cumprir as atividades propostas no Projeto, à UTECE cabe, além de subsidiar os Formadores quanto ao material didático, dar suporte pedagógico para que a multiplicação aconteça em cada escola participante. Para o acompanhamento pedagógico, dessas ações serão realizadas visitas periódicas por parte de um membro da equipe de formação da UTECE, capacitado para acompanhar a formação em cada GRE sobre a qual tem responsabilidade e, principalmente, acompanhar in loco as ações propostas para a escola que necessitar de uma mediação mais urgente.
Ao final do período da formação, cada escola participante deverá apresentar os resultados das atividades realizadas ao longo ano letivo, no Seminário de socialização, que deverá acontecer na GRE a que a escola pertence, em dia e horário estabelecido pelo Formador Regional e previamente acordado com a Unidade Técnica do Chão da Escola, que terá a função de acompanhar e registrar as atividades socializadas durante o Seminário.
Para garantir a credibilidade e o alcance máximo da formação, atuarão os seguintes profissionais: Formadores Institucionais (profissionais aptos a ministrarem a formação), Formadores Regionais (Coordenadores de ensino das Gerências Regionais), Orientadores de estudo (Coordenadores pedagógicos das escolas) e os cursistas (professores em efetivo exercício em sala de aula). Todos os professores participarão da Formação na escola onde atuam, sempre às quartas-feiras, em turno diferente de sua jornada de trabalho.
A atuação dos coordenadores pedagógicos como orientadores de estudo responde à necessidade nacional de reconhecer a função docente desse profissional que deve ser, eminentemente, de preparar professores frente às necessidades dos educandos e assim criar um clima motivador e propício ao convívio e à construção de conhecimento.